domingo, 6 de julho de 2008

O que é definir?


Uma das maiores manias do ser humano, nesse mundinho em que vivemos, é colocar nomes nas coisas. Nomear, classificar, definir, sabe?! As pessoas gostam de definir as outras pessoas, bem como os objetos, os acontecimentos e até os sentimentos. Na escola a lição é decorada e comumente nos deparamos com os “defina” ou “classifique” que perpetuam em outros âmbitos da vida.

Nas minhas divagações, tento entender o motivo dessa necessidade – criada por nós mesmos – de enquadrar as coisas e tenho sugestões de respostas:
Talvez pelo desejo de formatar as coisas de maneira que o maior número de pessoas possível possa ter acesso a uma informação uniforme;
Outra possibilidade é identificar o que não sou eu, é identificar a diferença e atribuir conceitos a tudo que não pertence ao meu ser.

Mas, quem sou eu? Ou o que sou eu? Refletir sobre si mesmo e a sua existência não é uma tarefa fácil e nem deve ser. Para pensar sobre o tema, trago aqui uma passagem de um livro que gostei muito e, sendo assim, quero compartilhar. Em “O retrato de Dorian Gray”, destaco uma conversa entre o protagonista, Dorian, e Harry – o lorde Henry Wotton.

“- Que é você, então?
- Definir é limitar.
- Dê-me um fio, um indício.
- Os fios rebentam. E você se perderia no labirinto.
-Surpreende-me. Mudemos de assunto.”





*
**
***

5 comentários:

649 lotto results disse...

Baw ah, kasagad sa imo maghimo blog. Nalingaw gd ko basa.

lottery winners disse...

Well done for this wonderful blog.

lottery numbers disse...

This blog could be more exciting if you can create another topic that everyone can relate on.

Dani disse...

A esse respeito Mário Quintana questiona “Por que prender a vida em conceitos e normas?”

Estranha mania essa, não? rsrs

Será que povos de cultura oriental também vivem sob a ânsia do definir, do nomear? Ou esta é apenas uma mania cultivada pela sociedade ocidental?

Bem, mania ou não, não podemos negar que a impossibilidade de se definir algo nos deixa angustiado, pois quando não conseguimos defini-lo, não conseguimos dominá-lo. E tudo que foge ao nosso controle, causa medo...

E a frase de Quintana reflete muito isso, “prender a vida”, domesticá-la, conseguir dominá-la como se fosse um animalzinho de estimação.
Assim seria mais fácil, não é mesmo? Mas também seria extremamente sem graça. Em alguns setores da vida acredito que é necessário essa impossibilidade de definição.

Cacau disse...

Definir é limitar. Ponto.

Resta saber quando a limitação é útil e quando é supérflua.

:)


Beijo linda.